29 de nov de 2011

Começa a COP 17, em Durban, África do Sul

Começou nesta tarde de segunda-feira as negociações para a redução das emissões de gases estufa na 17ª Conferência das Partes (COP 17) da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Durban, África do Sul. O objetivo principal dessa reunião é conseguir fazer com que os quase 200 países participantes cheguem a um acordo para limitar o aquecimento global do planeta a 2 graus Celsius.


O impasse, que vem dificultando as negociações, segue sendo o papel que os países desenvolvidos e os em desenvolvimento devem assumir na nova fase de Quioto. O governo Mexicano destaca que é importante encontrar um equilíbrio para que nenhuma das partes fique em desvantagem. O negociador chinês, Su Wei, revelou em entrevista à rádio estatal que as perspectivas do encontro não são boas, mas não explicou o motivo.

Os negociadores brasileiros, como o embaixador André Corrêa do Lago e a ministra do Meio Ambiente Izabela Teixeira destacam como essencial um segundo período do Protocolo de Quioto, tanto para manter os países engajados quanto para preservar o meio ambiente com a redução de emissões. Lago argumentou aos jornalistas que se o protocolo morrer, acredita não ser mais possível chegar a qualquer outro acordo total das partes.

As organizações ambientais não governamentais cobram uma definição urgente para que, após 2012, o planeta não fique sem uma regulamentação para emissão de gases de efeito estufa. Enfatizam que, se isso acontecer, o futuro climático do planeta é incerto, assim como os seus impactos nas regiões mais vulneráveis e pobres.

Protestos também estão sendo preparados. Com o nome de “Ocupe a COP 17”, o movimento pretende tomar o centro de conferências, segundo a agência EFE. Através do blog occupycop17 os manifestantes combinam uma assembleia no cruzamento das duas ruas principais de Durban e afirmam a intenção de ficarem instalados lá até o dia 9 de dezembro, último dia da COP 17.

Notícia direto da África do Sul, por Flávia Moraes (colega da Geografia) e repórter do O Eco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário